terça-feira, 16 de abril de 2013

Capitão Manoel Varella Barca, lá do Assú (II)



João Felipe da Trindade (jfhipotenusa@gmail.com)
Professor da UFRN, membro do IHGRN e do INRG
O fato de José Varella de Sousa Barca, filho de Manoel Varella Barca Junior, e neto do capitão Manoel Varella Barca, estar preso na cadeia de Natal, na época do inventário, em 1850, me deixou intrigado e fui investigar.  Na internet descubro que na Câmara alta, no ano de 1864, José Castelo Branco de Moreira Brandão e Amaro Carneiro Bezerra Cavalcanti, protagonizaram um intenso duelo verbal, por várias sessões consecutivas, onde o presidente da província, Olyntho Meira, estava na berlinda.
Amaro reclamava que Olynto tinha demitido o delegado de polícia de São Gonçalo, um cidadão prestante e honrado, o tenente-coronel José Varella de Sousa Barca, e nomeado para o seu lugar um homem que já tinha sido processado pelo fato de ter tentado roubar a urna em uma eleição. Esse novo delegado era cunhado de Moreira Brandão. Lembro, ainda, que Moreira Brandão era genro de Estevão José Barbosa de Moura, mencionado no artigo anterior.
Na sua resposta, Moreira Brandão disse que o Sr. José Varella foi por vezes processado, sendo um por crime de homicídio, e que seu processo achava--se munido de provas, embora ele depois conseguisse livrar-se. Já Bezerra Cavalcanti contestou as informações de Moreira Brandão dizendo que tudo que se imputava ao tenente-coronel José Varella tinha sido armado pelos seus adversários, semelhante ao que já tinha ocorrido com ele.
José Varella de Sousa Barca era casado com Dona Antonia da Rocha Bezerra Cavalcanti. Não localizei filhos desse casal. Aparecem nos registros de batismos de São Gonçalo como padrinhos.
Sobre Manoel Varella de Souza Barca, a única informação que encontrei foi uma nomeação para exercer uma cadeira em Santana do Mattos, em 1894.
Luzia, que aparece como esposa do tenente João Gomes Freire, era na verdade Luzia de Jesus Xavier. O tenente João Gomes Freire era filho de Thedósio Freire de Amorim e de Dona Sebastiana Dantas Xavier, irmã de Thereza de Jesus Xavier, esposa de Manoel Varella Barca Junior. Portanto, Luzia e João Gomes eram primos legítimos. Essas utinguenses são descendentes dos mártires de Uruassú, Antonio Vilela Cid e Estevão Machado de Miranda. Sebastiana foi batizada na capela de Jundiaí, em 22 de abril de 1781, sendo um dos padrinhos o Padre Lourenço Gomes Freire, tio do seu futuro esposo. João Gomes Freire era irmão de Theodósio Freire de Amorim Junior e Anna Freire de Amorim. Anna nasceu em 1808, na Utinga, tendo como padrinhos os avós maternos Francisco Xavier de Sousa Junior e Bernarda Dantas.
Na capela de Nossa Senhora do Socorro de Utinga, encontrei, na base de uma das paredes, uma placa confeccionada pela esposa de João Gomes Freire, referente ao seu jazigo, onde estão escritas as datas de nascimento, casamento e falecimento dele. A data de nascimento foi 23 de dezembro de 1811 (Segundo Cascudo, 1813, o último algarismo não é fácil de ler). Seu casamento foi em fevereiro de 1837 e seu falecimento, em 20 de outubro de 1877. Essas datas não pude conferir, pois não encontrei nenhum desses registros. Faltam páginas de alguns livros, e outros registros são de difícil leitura. Encontro o casal João Gomes Freire e Luzia de Jesus Xavier como padrinhos em vários batismos, mas não encontrei nenhum registro de filhos.
João Gomes Freire, vice-presidente da província, exerceu o cargo de presidente por poucos dias, de 15 junho a 1 de julho de 1872.
Encontro, também na internet, que Maria Senhorinha Varella Barca, viúva, de Antonio Barbalho Bezerra Junior, e mãe do alferes do 1º Corpo de Voluntários da Pátria da Província do Rio Grande do Norte, Manoel Barbalho Bezerra, morto em campanha, recebeu uma pensão mensal, a partir de 1867, do Império.
Placa do Jazigo do capitão João Gomes Freire

.

3 comentários:

  1. Boa noite João Felipe. Desculpe por estar comentando este artigo com algum atraso. Buscando informações sobre possíveis ligações da minha família com os sobreviventes de Uruaçu, revi este interessante artigo que cita o coronel José Varella de Souza Barca.
    Primeiramente gostaria de esclarecer que Manoel Varella de Souza Barca (citado no texto) acredito que não seja o irmão do coronel. Penso que seja o seu filho Manoel Varella Sobrinho, ten., que adotou em 1886 o nome do tio.
    Manoel Varella de Souza Barca (o tio) sofreu de catarata por 25 anos e foi operado por volta de 1889, ficando totalmente curado.
    Acredito, portanto, que o Manoel citado e que ocupou uma cadeira em Santana do Mattos seja o sobrinho.
    No meu site você encontra mais detalhes sobre os dois, inclusive os filhos do coronel, levando em consideração a data deste artigo. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Caro Mário
    Estou escrevendo, pacientemente, um livro sobre as famílias de Utinga, a partir de um manuscrito do descendente Manoel Maurício,do ano de 1840. Talvez, encontre mais informações sobres os filhos de Manoel Varela Barca Junior.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem, esse me interessa muito. Há alguns meses, finalmente, descobri o nome do meu trisavô materno, Joaquim Tavares Guerreiro, mas quando a gente pensa: "agora estou satisfeito", mais dúvidas surgem. Este Joaquim não estava no meu "cadastro", e parece que veio lá de Cearamirim. Aguardo pelo livro.
      Desde a semana passada venho seguindo uma pista, depois de ler uns artigos seus sobre Utinga. Decidi testar as informações e acabei chegando aos mártires de Uruaçu. Neste fim de semana vou confirmar as descobertas, embora já tenha lançado no Myheritage, onde fica mais fácil montar as coneccões.
      Veja Relatório de Parentesco:
      https://www.myheritage.com.br/FP/relationships.php?s=78358583&source=1500588&target=1000119&details=2

      Excluir

Seu comentário ajudará na correção dos artigos e fotos, bem como na construção de novas informações.